Compreendendo os três níveis de autismo. 

Existem três níveis de transtorno do espectro do autismo (ASD). Cada pessoa com ASD é posteriormente diagnosticada com ASD nível 1, nível 2 ou nível 3, dependendo de quão grave é seu transtorno e de quanto suporte eles precisam em sua vida diária. 

Os níveis variam do menos ao mais grave, com ASD nível 3 descrevendo um indivíduo que tem o nível mais grave de sintomas de ASD, e ASD nível 1 descrevendo alguém com sintomas na extremidade mais branda do espectro. 

Este artigo descreve os sintomas típicos de cada um dos três níveis de ASD. Ele também inclui exemplos realistas dos pontos fortes e limitações que são exclusivos de cada nível.

Níveis de espectro do autismo 

O transtorno do espectro do autismo afeta a forma como uma pessoa age, aprende e se expressa. Embora os indivíduos com ASD possam compartilhar sintomas em comum, cada indivíduo difere, assim como seus pontos fortes e dificuldades. 

Os três níveis de ASD ajudam os médicos a prescrever terapias adequadas para as necessidades exclusivas de seus pacientes. Essas terapias podem ajudar a pessoa com ASD a aproveitar ao máximo seus pontos fortes e melhorar suas habilidades sociais, de linguagem e de comportamento. 

Para os pais de uma criança com ASD, saber o nível da criança pode ajudar a prepará-los para os tipos de desafios que seus filhos podem enfrentar na vida diária. 

A versão anterior do DSM, o DSM-4, dividia o autismo em cinco diagnósticos distintos, desde a síndrome de Asperger (frequentemente usada para descrever autismo leve ou de alto funcionamento ) até transtorno autista, que indicava autismo grave. 

O DSM-5 combina tudo isso em um único diagnóstico de ASD, mas com diferentes níveis de gravidade. 

Como acalmar uma crianca com autismo
Compreendendo os três níveis de autismo Compreendendo os três níveis de autismo Compreendendo os três níveis de autismo Compreendendo os três níveis de autismo Compreendendo os três níveis de autismo Compreendendo os três níveis de autismo

Nível 1: requer suporte. 

O ASD de nível 1 é a forma mais branda ou de “alto desempenho” de autismo. Crianças com nível 1 de ASD têm dificuldade em se comunicar adequadamente com os outros. Por exemplo, eles podem não dizer a coisa certa na hora certa ou conseguir ler dicas sociais e linguagem corporal. 

Uma pessoa com ASD nível 1 geralmente é capaz de falar frases completas e se comunicar, mas tem problemas para se engajar em conversas com outras pessoas. Eles podem tentar fazer amigos, mas não têm muito sucesso. 

Eles também podem ter problemas para passar de uma atividade para outra ou tentar coisas novas. Além disso, podem ter problemas de organização e planejamento, o que pode impedi los de serem tão independentes quanto outras pessoas de sua idade. 

Nível 2: requer suporte substancial. 

Pessoas com ASD nível 2 terão problemas mais óbvios com comunicação verbal e social do que aqueles diagnosticados com nível 1. Da mesma forma, eles acharão mais difícil mudar o foco ou passar de uma atividade para a próxima. 

Crianças com nível 2 tendem a ter interesses muito restritos e se envolver em comportamentos repetitivos que podem dificultar o seu desempenho em certas situações. Por exemplo, eles podem andar de um lado para o outro ou dizer a mesma coisa continuamente. 

Uma pessoa com diagnóstico de ASD nível 2 tende a falar frases simples e também tem dificuldades com as formas não-verbais de comunicação. 

Nível 3: Requer suporte muito substancial. 

O nível 3 é a forma mais grave de autismo. As crianças nesta categoria terão muitos dos mesmos comportamentos daquelas com os níveis 1 e 2, mas em um grau mais extremo. 

Problemas de expressão verbal e não verbal podem tornar muito difícil funcionar, interagir socialmente e lidar com uma mudança de foco ou localização. Engajar-se em comportamentos repetitivos é outro sintoma do ASD nível 3. 

Uma pessoa com ASD nível 3 terá uma capacidade muito limitada de falar claramente e raramente iniciará interações com outras pessoas. Quando o fizerem, o farão de maneira estranha. Alguém com nível 3 também responderá apenas a abordagens sociais muito diretas de outras pessoas.

Limitações dos níveis ASD 

Esclerose tuberosa aumenta o risco de autismo
Compreendendo os três níveis de autismo Compreendendo os três níveis de autismo Compreendendo os três níveis de autismo Compreendendo os três níveis de autismo Compreendendo os três níveis de autismo Compreendendo os três níveis de autismo

Embora os níveis de ASD sejam úteis para diagnosticar a gravidade do autismo e as necessidades de suporte, as categorias não fornecem uma imagem completa dos pontos fortes e das limitações de cada nível. 

Os três níveis não incluem totalmente os sintomas e necessidades de todas as pessoas com autismo. O DSM-5 oferece pouca especificidade em relação aos tipos de suporte de que os indivíduos precisam ou às situações em que o suporte é necessário. 

Por exemplo, algumas pessoas com ASD precisam de apoio na escola, mas estão bem em casa, enquanto outras podem ir bem na escola, mas têm dificuldades em situações sociais. 

Além do mais, o nível que uma pessoa é atribuída quando é diagnosticada pela primeira vez pode mudar à medida que ela desenvolve e refina suas habilidades sociais e à medida que a ansiedade, a depressão ou outros problemas comuns entre as pessoas com autismo mudam, ou se tornam mais graves. 

Atribuir pessoas a um dos três níveis de autismo pode ser útil para entender quais tipos de serviços e suportes seriam mais úteis para elas. 

No entanto, não vai prever ou explicar detalhes únicos em sua personalidade e comportamento, o que significa que o suporte e os serviços que eles recebem precisarão ser altamente individualizados. 

Resumo 

O DSM-5 é um manual importante usado por médicos para diagnosticar pessoas com transtorno do espectro do autismo. Ele descreve três níveis de ASD, que variam em gravidade e quanto suporte a pessoa com ASD precisa na vida diária. 

Os três níveis de ASD fornecem um esboço básico dos desafios que alguém com ASD pode enfrentar para se comunicar, se socializar e se comportar. Essa forma de diagnosticar pessoas com ASD, entretanto, não aborda totalmente a ampla gama de necessidades que as pessoas com autismo têm. 

Conclusão

Muitos artigos da Internet sobre autismo enfocam crianças com o transtorno, mas os adultos com ASD geralmente também precisam de algum nível de apoio. Fazer a transição para um adulto totalmente independente pode ser difícil para algumas pessoas com ASD e suas famílias, especialmente porque as necessidades individuais mudam. 

Se você conhece alguém com ASD, é importante continuar reconhecendo suas necessidades e incentivando seus pontos fortes, não importa a idade que tenham. 

 

Antiinflamatorios

Fontes

Entre em contato

%nome de arquivo% Compreendendo os três níveis de autismo,